O Policiamento Comunitário ou de Proximidade é um tipo de policiamento que utiliza estratégias de aproximação, ação de presença, permanência, envolvimento e comprometimento com o local de trabalho e com as comunidades na preservação da ordem pública, da vida e do patrimônio das pessoas. A Confiança Mútua é o elo entre cidadão e policial, entre a comunidade e a força policial, entre a população e o Estado. O Comprometimento é a energia.

Esta estratégia de policiamento visa garantir o direito da população à segurança pública, mas, tendo em vista que confiança é essencial, o sucesso depende de policiais preparados, do apoio da sociedade organizada, das comunidades, de leis respeitadas e da interação entre poderes, instituições e órgãos envolvidos num Sistema de Justiça Criminal que exige finalidade pública, observância da supremacia do interesse público, valor à vida das pessoas, comprometimento, objetivo, coatividade, instrumentos de justiça ágeis, execução penal responsável e forças policiais bem formadas, respeitadas, valorizadas, especializadas, atuando no ciclo completo e capacitadas em efetivos para exercer função essencial à justiça na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.

sábado, 10 de março de 2012

PENSAMENTO ESTRATÉGICO DO POLICIAMENTO COMUNITÁRIO


POLICIAMENTO COMUNITÁRIO, CONQUISTANDO A CONFIANÇA DA COMUNIDADE - JORGE BENGOCHEA, CEL RR BRIGADA MILITAR


Uma conduta estratégica bem definida dentro do tempo possibilita aos líderes conduzir pessoas, empregar meios adequados e econômicos e controlar situações para obter resultados determinados e esta tem sido parte de uma busca do homem desde a Antigüidade.

Planejar é construir um trilho para seguir uma direção determinada na busca de uma meta julgada possível de ser atingida. Focar para frente e para trás coletando as informações necessárias para determinar as ações que serão realizadas para atingir as metas propostas. Nenhuma organização sobreviverá se conduzir suas ações sem planejamento. Na doutrina militar os planos e as ordens bem definidas possibilitam coordenar esforços, empregar os recursos da forma certa e tomar as melhores decisões para alcançar as vitórias.

Sun Tzú, Napoleão, Clausewitz, Cardeal de Richelieu, Zhou Yu, Zhuge Liang, Sima Yi, Lü Meng, Lu Xun, Jiang Wei, Sima Yan, Vo Nguyen Giape outros grandes políticos, generais, chefes, articuladores e manipuladores escreveram seus nomes na história, graças a estratégias, ações continuadas e estratagemas bem formulados. Foram com planos bem elaborados que as decisões se mostraram corretas e as ações bem executadas, atingindo os objetivos, dominando territórios e conquistando corações e lealdade de pessoas e povos. O pensamento destes estrategistas ultrapassaram o tempo e hoje são utilizados no mundo contemporâneo para conquistar objetivos, dominar e ampliar espaços, atingir o desenvolvimento organizacional, firmar uma imagem de confiança e garantir a sobrevivência.

Não se pode adotar medidas ou ações sem que se tenha bom um estudo da situação, pleno conhecimento do cenário, evolução e perspectivas, para elaborar um plano de trabalho, adequado e dentro da realidade em que se insere esta organização ou empresa, para então se estruturar, capacitar e iniciar as ações na direção dos objetivos pretendidos.

Um dos grandes erros é aplicar políticas e executar as funções pertinentes sem conhecer a sí próprio (pontos fortes e fracos), conhecer o inimigo (ameaças) e conhecer o ambiente (terreno, local, oportunidades), que são conhecimentos utilizados na construção do plano que servirá de referência e alicerce para apontar os melhores caminhos para trilhar dentre as inúmeras variáveis encontradas, aliada à inteligência e perspicácia do estrategista.

Pesquisa e Estatística Policial

Pesquisas científicas são importantes para desenvolver o conhecimento da situação existente ou possível, dando base à uma análise que fundamentará a construção do planejamento da gestão policial. A pesquisa é uma ferramenta de apoio para a identificação dos problemas que serão tratados, com técnicas apuradas e métodos padronizados.

Uma das técnicas que deve ser implementada é a da entrevista pessoal que, além de possibilitar a aproximação e um melhor relacionamento entre superiores e subordinados ou com as lideranças e pessoas da comunidade, avalia as emoções e os sentimentos que envolvem o ambiente de trabalho, o estado de segurança pública e a solidez das informações, críticas e sugestões recebidas. Lembre da "anamnese" realizada pelo médicos no tratamento de seus pacientes. Com ela, eles podem verificar o local onde existe a dor, o estado do paciente e determinar os exemplos complementares (pesquisa) para detectar a doença e assim proceder o tratamento para a cura. É uma postura que se assemelha ao do gestor do policiamento comunitário onde os pacientes são a comunidade (insegurança pública) e a doença é o crime a ser debelado.

A outra é a pesquisa de campo (diagnóstico, exames complementares), através de questionários previamente elaborados, para levantar, baseado nas questões norteadoras, a opinião sobre ponto relevantes tal como a satisfação da comunidade em relação ao crime e às atividades policiais desenvolvidas.

O levantamento pode levar às seguintes informações:

- a situação e o movimento dos indicadores de ocorrências;
- a capacidade da presença policial e o tempo de resposta nos atendimentos;
- o grau de motivação e treinamento dos gestores e executores policiais;
- Os níveis de satisfação da comunidade para com a atividade policial;
- O nível de confiança do cidadão na Instituição policial;
- Os problemas que causam a insegurança da comunidade;
- As causas de violência na comunidade;
- Os níveis das relações e do clima organizacional da Instituição.

NÍVEIS DE PLANEJAMENTO

ESTRATÉGICO

Ambientado em cenários, compete o nível estratégico à Instituição como um todo, estabelecendo a visão de futuro, os objetivos e a vida da Instituição. É o mais importante, pois estabelece as aspirações de querer coisas ou pessoas para satisfazer necessidades condicionadas pela filosofia que será implementada. A Instituição levanta as preocupações e as suas necessidades, verifica as questões internas que ameaçam a sua estrutura e estabelece para todos os seus órgãos e departamentos subordinados as coordenadas que serão implementadas, com metas específicas. O plano estratégico determina etapas a curto, médio e longo prazo para a realização das ações devendo no decurso de cada prazo, sofrer as alterações necessárias de acordo com a situação do momento.

É o planejamento mais amplo e abrangente cujas principais características são:

- é projetado a longo prazo;
- é baseado em prospectivas futuras, tendo seus efeitos e conseqüências estendidos a vários anos pela frente;
- envolve a Instituição como um todo, preocupando-se em atingir os objetivos a nível institucional.

TÁTICO

Relaciona-se a objetivos de médio prazo e com métodos e ações que influenciam somente uma parte da Instituição. São estabelecidos em nível regional ou departamental, e compatibilizados com os objetivos estratégicos fornecem o rumo a ser tomado pelos planos operacionais. Suas principais características são:

- projetado para o médio prazo, geralmente para o exercício anual;
- envolve cada departamento;
- preocupa-se em atingir objetivos departamentais.

OPERACIONAL

Compete o planejamento operacional à linha de execução das atividades de prestação de serviços (órgãos de execução), feito para cada tarefa ou atividade. Os planos operacionais definem as ações a serem realizadas nas diversas situações enfrentadas pela organização na sua rotina normal e nas especiais. Suas principais características são:

- é projetado para o curto prazo e para o imediato;
- envolve cada tarefa ou atividade isoladamente.






Arte Bengochea/Odiomar

Nenhum comentário: