O Policiamento Comunitário ou de Proximidade é um tipo de policiamento que utiliza estratégias de aproximação, ação de presença, permanência, envolvimento e comprometimento com o local de trabalho e com as comunidades na preservação da ordem pública, da vida e do patrimônio das pessoas. A Confiança Mútua é o elo entre cidadão e policial, entre a comunidade e a força policial, entre a população e o Estado. O Comprometimento é a energia.

Esta estratégia de policiamento visa garantir o direito da população à segurança pública, mas, tendo em vista que confiança é essencial, o sucesso depende de policiais preparados, do apoio da sociedade organizada, das comunidades, de leis respeitadas e da interação entre poderes, instituições e órgãos envolvidos num Sistema de Justiça Criminal que exige finalidade pública, observância da supremacia do interesse público, valor à vida das pessoas, comprometimento, objetivo, coatividade, instrumentos de justiça ágeis, execução penal responsável e forças policiais bem formadas, respeitadas, valorizadas, especializadas, atuando no ciclo completo e capacitadas em efetivos para exercer função essencial à justiça na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

UPP POA - POLÍCIA PACIFICADORA NA RESTINGA

POLÍCIA PACIFICADORA. Símbolo da repressão ao crime chega à Restinga - LETÍCIA BARBIERI, ZERO HORA 07/09/2011

Um dos símbolos do novo plano de repressão ao crime no Estado estacionou às 18h de ontem no bairro Restinga, uma das áreas mais conflagradas de Porto Alegre. O ônibus, chamado de Posto Móvel Comunitário, é uma das medidas encontradas pela Brigada Militar (BM) para dar uma resposta aos criminosos que passaram a impor a lei do terror na vizinhança.

A ação faz parte da implantação do programa chamado de Territórios da Paz, a versão gaúcha das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), que vêm combatendo a criminalidade no Rio de Janeiro.

O governo decidiu antecipar o início da implantação do policiamento ostensivo no local após o bairro registrar quatro assassinatos no último final de semana. A localização dos policiais não foi decidida ao acaso. O comandante da 1ª Companhia do 21º Batalhão de Polícia Militar, responsável pela segurança na Restinga, capitão Marcelo Nogueira da Silva, afirma que naquele ponto existe “uma praça de guerra”, o que ele compara a uma panela de pressão aquecida pelos inúmeros tiroteios protagonizados por facções rivais que ali se instalaram. Silva promete que o ônibus ficará no local, até segunda ordem.

– A intenção é a aproximação com a comunidade. É prevenção e repressão ao mesmo tempo – adianta o capitão.

Com a chegadas dos PMs, o jogo de bola na rua não precisou ser interrompido para abrir caminho a gangues armadas. Donas de casa puderam abrir os portões e conversar na calçada. Para esses meninos, tiroteio não é coisa de cinema.

– A gente vê na TV, mas vê aqui também – revela outro.

Apesar do histórico de violência na região não ser novo, os moradores são unânimes: do jeito que estava não dava mais. Uma cuidadora de crianças de 43 anos respira aliviada. A casa dela ficará agora a poucos metros do posto móvel. Só assim ela poderá dormir mais tranquila.

– Hoje, enquanto meus filhos não chegam do trabalho eu não posso dormir. Alguns meses atrás um vizinho morreu por causa de uma bala perdida, não quero que aconteça com os meus também.

Pelas contas da moradora, há pelo menos quatro meses os tiroteios viraram rotina. E não têm hora para acontecer. É manhã, tarde e noite.


BM faz ofensiva nas ruas

Na tarde de ontem a Brigada Militar iniciou uma sua ofensiva contra a criminalidade na Capital espalhando barreiras pelo município na chamada Operação Fecha a Cidade. E logo no início da ação, três homens apontados como integrantes da quadrilha Bala na Cara foram presos na Avenida Manoel Elias, na Zona Norte. Com eles, os policiais do 20º BPM apreenderam uma pistola .40 que havia sido roubada da corporação.

O trio foi parado em um Fiesta, vermelho, com placas de Curitiba. Entre eles estava uma foragido da Justiça de 25 anos, que cumpria pena no regime semiaberto e fugiu no dia 13 de agosto da Colônia Penal Agrícola, em Charqueadas. Também no começo da ação, um homem e um adolescente foram detidos na Restinga com duas armas. Os dois trafegavam pela Rua Gumercindo de Oliveira quando foram abordados.

Nenhum comentário: