O Policiamento Comunitário ou de Proximidade é um tipo de policiamento que utiliza estratégias de aproximação, ação de presença, permanência, envolvimento e comprometimento com o local de trabalho e com as comunidades na preservação da ordem pública, da vida e do patrimônio das pessoas. A Confiança Mútua é o elo entre cidadão e policial, entre a comunidade e a força policial, entre a população e o Estado. O Comprometimento é a energia.

Esta estratégia de policiamento visa garantir o direito da população à segurança pública, mas, tendo em vista que confiança é essencial, o sucesso depende de policiais preparados, do apoio da sociedade organizada, das comunidades, de leis respeitadas e da interação entre poderes, instituições e órgãos envolvidos num Sistema de Justiça Criminal que exige finalidade pública, observância da supremacia do interesse público, valor à vida das pessoas, comprometimento, objetivo, coatividade, instrumentos de justiça ágeis, execução penal responsável e forças policiais bem formadas, respeitadas, valorizadas, especializadas, atuando no ciclo completo e capacitadas em efetivos para exercer função essencial à justiça na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

COMANDANTES DA BM VISITAM UPP NO RIO


Unidade de Polícia Pacificadora na Cidade de Deus foi conhecida. Três bases da UPP atendem cerca de 120 mil habitantes da comunidade - CORREIO DO POVO, 12/04/2012


Em funcionamento desde fevereiro de 2009 e com foco para o policiamento comunitário, a UPP instalada na Cidade de Deus foi visitada ontem pelo comandante-geral da Brigada Militar do RS, coronel Sérgio Abreu. Com três bases distribuídas na área com aproximadamente 120 mil habitantes, conforme cálculos da Polícia Militar, a comunidade tem 350 PMs que atuam principalmente no combate ao tráfico de drogas. A visita foi acompanhada pelo comandante do Estado Maior da BM, coronel Valmor Araújo de Mello.

Segundo o major Felipe Romeu, que comanda a UPP, as bases funcionam como uma "Polícia de proximidade", que após o ingresso na região, passou a registrar aumento de denúncias e de casos de violência contra a mulher. Ações de reforço escolar, inclusão e atividades esportivas, porém, ainda são precárias.

Um dos pontos visitados foi a Creche Cidade de Deus, que atende a 218 crianças de zero a 4 anos e emprega 60 pessoas que moram na região. A creche, criada pela ONG Rio Solidário, tem parcerias com a prefeitura e empresas e orçamento mensal de R$ 200 mil. "O avanço obtido foi limitar o tráfico e reduzir índices de violência. Percebemos a falta de investimentos capazes de atender jovens e adultos", disse.

A diferença para o projeto Território da Paz, segundo Abreu, é que a iniciativa implementada na Capital e em cidades do interior do RS integra projetos de várias secretarias para atender às comunidades, com ações de educação, saúde e acesso ao microcrédito. Ontem à tarde, lojas, mercearias e pequenos estabelecimentos comerciais da Cidade de Deus estavam fechados em razão da morte do traficante Paulinho da Bazuca, morto terça-feira durante uma operação da PM.

Nenhum comentário: