O Policiamento Comunitário ou de Proximidade é um tipo de policiamento que utiliza estratégias de aproximação, ação de presença, permanência, envolvimento e comprometimento com o local de trabalho e com as comunidades na preservação da ordem pública, da vida e do patrimônio das pessoas. A Confiança Mútua é o elo entre cidadão e policial, entre a comunidade e a força policial, entre a população e o Estado. O Comprometimento é a energia.

Esta estratégia de policiamento visa garantir o direito da população à segurança pública, mas, tendo em vista que confiança é essencial, o sucesso depende de policiais preparados, do apoio da sociedade organizada, das comunidades, de leis respeitadas e da interação entre poderes, instituições e órgãos envolvidos num Sistema de Justiça Criminal que exige finalidade pública, observância da supremacia do interesse público, valor à vida das pessoas, comprometimento, objetivo, coatividade, instrumentos de justiça ágeis, execução penal responsável e forças policiais bem formadas, respeitadas, valorizadas, especializadas, atuando no ciclo completo e capacitadas em efetivos para exercer função essencial à justiça na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.

terça-feira, 26 de março de 2013

PROBLEMAS ATUAIS DA POLÍCIA COMUNITÁRIA


PARTE FINAL

Traduzido por Wilson Pardi Junior


4. Problemas atuais da polícia comunitária:


(1) Posto policial vazio

Um posto policial vazio é um posto policial sem nenhum oficial presente para receber os visitantes. O fato de que os postos policiais muitas vezes se tornam vagos é uma questão política. Em abril de 2004, aproximadamente 38% de todos os postos policiais (cerca de 2.460 em todo o país) tinham menos do que dois policiais por turno, e esses postos policiais pequenos tendem a ficarem vagos com bastante frequência. Para atender as necessidades dos moradores da comunidade, os policiais devem estar sempre presentes no posto policial. Isto não é fácil, uma vez que os oficiais devem sair para patrulhar e correrem para o local em que ocorrer um crime ou acidente.

A fim de responder ao índice de criminalidade que aumentou dramaticamente, os agentes da polícia comunitária não ficam horas demais nos postos policiais. O número de chamadas 110 aumentou 1,8 vezes nos últimos 10 anos.

Para aliviar o problema de postos policiais vazios, o governo nacional do Japão lançou uma iniciativa para aumentar o número de policiais a partir do ano fiscal de 2001, assim como a implantação de policiais aposentados como conselheiros nos postos policiais.

Além disso, equipamentos que permitem que os visitantes se comuniquem com a polícia usando imagens visuais, foi sendo implementado em alguns postos policiais.

No verão de 2004, as sedes da polícia de cada província elaboraram seus próprios planos e foram implementando aos poucos, a fim de eliminar os postos policiais vazios até à primavera de 2007.


(2) Postos policiais residenciais

O número de postos policiais residenciais tem diminuído, com 800 deles eliminados nos últimos 10 anos. Postos policiais residenciais, onde apenas um policial trabalha durante o dia, estão sendo cada vez mais substituídos pelo modelo urbano de postos policiais. Isto é principalmente devido a uma taxa no aumento da criminalidade noturna e outros fatores associados à urbanização.

Em um posto policial residencial, o oficial, em princípio, mora com a família. Portanto, a família desempenha um papel importante, tal como receber os visitantes quando o oficial está fora.

No entanto, a falta de uma distinção clara entre vida pública e privada coloca um grande peso sobre a família. É recomendável, mas não obrigatório, que os policiais morem com suas famílias. No entanto, menos e menos oficiais estão fazendo isso.

Por outro lado, tem havido tentativas de estabelecer postos policiais residenciais em áreas urbanas, a fim de reconstruir a solidariedade comunitária e dissuasão da criminalidade. Espera-se que isto irá reunir mais a comunidade local e engaja-los em atividades policiais.



(3) Dificuldades em realizar visitas de porta em porta

Visitas de porta em porta, uma das atividades importantes para o estabelecimento de um bom relacionamento com a comunidade, estão se tornando cada vez mais difíceis, especialmente para os oficiais de postos policiais em áreas urbanas.

Uma das razões dessa dificuldade é o aumento no número de crimes e acidentes, que reduz o tempo disponível para os oficiais realizarem visitas de porta em porta. Outro fator é a mudança no estilo de vida urbano. Ou seja, o número de famílias com casais de dupla renda salarial e apenas um morador, onde ninguém está em casa durante o dia, tem aumentado. Isso significa que muitos moradores não estão disponíveis ou não querem cooperar com os policiais. Para resolver este problema, alguns policiais da província tem designados oficiais mais velhos e experientes somente para tarefa de visita de porta em porta.

Além disso, esforços têm sido feitos para trabalho em colaboração com organizações de moradores para a divulgação de informações sobre prevenção de crimes e de promoção de campanhas de prevenção da criminalidade.


5. Fatores essenciais dos postos policiais (urbanos e residenciais)

Fatores essenciais para o sucesso de um sistema de postos policiais são:

Primeiro, boas condições de segurança são um pré-requisito fundamental para o sistema. Embora postos policiais são instituições destinadas a garantir a segurança do público, elas podem somente ter sucesso em lugares considerados seguros. Por exemplo, em um lugar onde ataques terroristas ocorrem freqüentemente, postos policiais poderiam se tornar alvos fáceis. Ainda é necessário para os oficiais fazerem um grande esforço para defenderem um posto policial contra crimes menos graves, como vandalismo e outros ataques.

Um número pequeno de oficiais são designados para trabalharem num grande número de locais sob o sistema. Portanto, o sistema de postos policiais pode ser bem sucedido em condições extremamente seguras tais como o Japão possui atualmente.

As boas condições de segurança no Japão tem sido sustentadas pelo sistema de postos policiais, e também por fatores não-policiais tais como condições geográficas de fronteira pelo mar, uma sociedade altamente homogênea, uma cultura consciente de grupo, o desenvolvimento econômico e industrial, e o controle rigoroso de propriedade de armas. Em outras palavras, o sistema de postos policiais tem sido capaz de contribuir para a segurança do Japão porque já havia condições favoráveis para manter-se a segurança pública.

Em segundo lugar, a presença de oficiais qualificados com um bom relacionamento com os moradores da comunidade é necessária.

Oficiais de polícia designados num posto policial entram em contato direto com os moradores da comunidade todos os dias. Suas qualificações tem uma grande influência sobre como os moradores percebem a polícia. No Japão, acredita-se que a alta qualificação dos policiais em geral (não apenas os oficiais da polícia comunitária) contribuiu para o sucesso do sistema de postos policiais. Enquanto que a polícia japonesa se envolveu em uma série de escândalos há vários anos atrás, a maioria dos policiais é honesta e diligente. É razoável dizer que o Japão conseguiu alcançar o objetivo de formar policiais de alta qualidade.

A qualificação dos policiais é importante do ponto de vista da gestão de pessoal.

Oficiais designados para postos policiais (incluindo os residenciais) estão sob a supervisão direta de oficiais superiores com menos frequência do que aqueles que trabalham na sede da polícia ou em uma delegacia de polícia. É difícil manter a eficiência dos postos policiais. Para assegurar a correta execução das funções em tais ambientes de trabalho, é necessário recrutar pessoal de qualidade e treiná-los bem.

Embora o sistema de postos policiais atualmente encara vários desafios sob uma situação de deterioração da segurança, ele está firmemente enraizado na sociedade há mais de 100 anos, e tem desempenhado um papel importante na manutenção da ordem pública, trabalhando com a colaboração dos residentes da comunidade.


FONTE: JapaneseCommunityPolice_2004


Traduzido por

Wilson Pardi Junior
Hardware/Software Engineer na empresa NuFlare Technology, Inc.
Nosso colaborador em Policiamento Comunitário, direto do Japão.





Nenhum comentário: